À você que foi raptado.

10 07 2009

É, você não foi. Ou melhor, você se foi. Se foi da minha vida. E não foi o que eu achava que fosse. Tudo bem que você fosse, saísse daqui e me deixasse assim. Só, sem foco, sem norte, sem chão.

Agora que você não fosse quem eu achei quem fosse, essa sim doeu. Hoje tenho saudades de você, de nós, de quase tudo o que lembra nós dois.

Ontem, após dois quase três meses de término senti seu abraço enquanto tentava sem muito sucesso adormecer em minha, digo, nossa cama vazia. Senti apertado, quente e seguro. O que eu costumava chamar de ‘o melhor lugar do mundo’ e adivinhe, não consegui dormir.

Fechava os olhos para tentar, em vão, lembrar de seu rosto e a única coisa que aparecia era a lembrança de você deitado, dormindo e sorrindo ao meu lado.

A cena fez-me perder o precioso sono que me falta por conta de uma insônia arrebatadora. Agora me falta por conta do calor na face que antes preenchida com sorrisos de amor hoje, vivem as lágrimas.

Que coisa, não? Você sempre disse que era pra sempre. Na hora de terminar você me disse: “O pra sempre sempre acaba.”(Maldita letra de música.) Mas se é assim, o que então acontece nos contos de fadas?

Os príncipes viram sapos, traidores e sem um pingo de sentimento? E as princesas, ficam amargas, frígidas e sofridas? Tudo bem que contos de fadas não existem, afinal, fadas não existem(por mais que as vezes eu as veja.) . Mas eu criei o nosso, vivi o nosso e no fim a bruxo, ou melhor, o mago malvado virou dragão, raptou o príncipe e venceu…

Ao contrário dos contos, o mal venceu. Mas por enquanto…





Está quase chegando…

4 06 2007

Hoje estava por acaso olhando meu calendário e percebi que faltam exatamente 8 dias para o Dia dos Namorados.

Aos casais felizes, meus sinceros votos de feliz dia dos namorados, aos solteiros não desesperados(o me caso!) peçam China in box e divirtam-se, para os solteiros desesperados, liguem para o CVV e não pensem em fazer nada ou usem algo que possa cortar ou que seja perfurante.

Ao refletir sobre o fato minhas amigas e eu pensamos na possibilidade de fazer um amigo invisível, sabem né, assim ninguém ia sair sem presente, mas ao ponto que uma delas conseguiu arranjar o que se pode chamar de namorado-super-bacana, podemos dizer que essa idéia foi pelo ralo.

Aí veio a idéia de alugarmos filmes mulherzinha e assistirmos jogando pipoca na televisão, repetindo as frases aos berros(Nobody puts Baby in the corner!) e suicidando lágrimas ao chão ou melhor ao edredon europeu de minha amiga. Mas achando que isso seria demasiadamente depresiativo para um dia que supostamente deveria ser feliz, decidimos que essa idéia era triste demais.

Faltam 8 dias e nem namorado apareceu(não que eu espere achar um até lá, mas a esperança e a sogra – se caso eu tivesse – são as últimas que morrem!), nem nós decidimos o que fazer entre nós para nos sentirmos lembrados nesse(fucking!) dia, se é que me entendem…

Acho que vou acabar em casa, numa das melhores companhias do mundo(depois de mim mesmo!), meu DVD. E pra completar uma boa taça do melhor vinho de mim pra mim mesmo e quem sabe eu me dê um presente…(risos)





Sobre as experiências relevantes.

18 04 2007

Tenho um amigo na flor dos seus 20 anos e que nunca saiu pra “night” na cidade em que moramos. Desde que ele se mudou para cá ele namora sério um carinha aí. Ok, mas por que falar do meu amigo-que-nunca-saiu-pra-se-divertir-sozinho-na-nossa-cidade? Deixem-me explicar.

Cheguei à conclusão que antes de namorar sério com alguém a gente tem que ter tido algumas experiências pelo menos… Relevantes. Por exemplo, se hoje após três anos de namoro(do meu amigo, não meu, eu não estou pegando nem vento!) aparece uma “aventura” pra ele, vai ter que dizer não, certo? Errado. Ele diz que se essa “aventura” aparecer, ele não vai recusar, mas ele vai trair o namorado de três anos? Sim vai, e diz que nem com a consciência pesada fica. Mas onde fica o real sentido do relacionamento monogâmico nessa hora? Alguém me ilumina a mente de conceitos de novo por favor!

Ficaria feliz se estivesse numa relação de três anos, mas não sei se estaria realmente preparado pra isso. Teria que renunciar á muita coisa que hoje, solteiro(sim, sozinho nunca!) posso viver livremente, sem cobranças, ligações e picuínhas que todo “namorando” tem. Tudo bem que essas coisinhas todas que os “namorandos” têm fazem falta mas aí a gente arrajar um caso e tudo se resolve.

Além de experiências relevantes acho também que umas excêntricas valem muito à pena. Não irei relatar as minhas por aqui, mas digo que ele morre de vontade de ter algumas das minhas. Por isso que digo á ele que se ele quer esse tipo de experiência deve deixar esse relacionamento.

Calma! Não digo isso porque detesto casais felizes e saltitantes por aí, digo isso por que eles estão meio mal das pernas sabem, opinião minha, estão empurrando com a barriga, mas quando digo isso ao meu amigo ele vem e começa a me falar de “zona de conforto” ou ” as vantagens ideáis de se ter um namorado!”(o que pra mim parece nome de livro de auto-ajuda-que-não-ajuda-em-nada!) e mais uma vez caímos numa discussão sem fim, mas tudo bem!

Claro que pra cada uma conceitos são conceitos e cada um têm os seus, não é verdade? Meus conceitos estão entrando em obras, bem parecidas com as da prefeitura de Belém, devo dizer. Mas é sempre bom mudar conceitos ou ajudar a estabelecer “tendências-relacionais” mesmo que não mude nada de fato, mas sua parte você já tentou fazer, como diz minha mãe, plantou a sementinha, vai que um dia ela nasce, eu hein!!





A Linguagem do Romance – para aqueles que já precisaram e para aqueles que vão precisar.

5 04 2007

Outro dia eu descobri que os adolescentes quando namoram usam a “linguagem dos namorados”, diferenciada do modo deles, mas usam. Se você nesse momento pensou no seu namorado e conseqüentemente veio a sua cabeça aquela coisa de gugu-dadá ou nenê que faze momo (lembra disso, decadente, não?) então corra pra bem longe por que sua relação está começando a se deteriorar…

A linguagem que eu descobri é bem mais dolorida, e sem aquelas vozes irritantes que fazemos quando estamos “in love”. È mais para amenizar a dor de quando ouvimos aquela frase: VAMOS DAR UM TEMPO! Aí, começa-se a fazer uma série de textos que parecem dizer muita coisa, mas não dizem nada, como por exemplo: não é com você! Que traduzindo se transforma mágica e tragicamente em “é com você”.

Até mesmo aquela, “acho que devíamos sair com outras pessoas”, pode ser traduzida para “Ahñ, ahñ… eu já estou saindo”, ou vou namorar chatos e alcoólatras e reclamar deles para você, entre outras traduções que descobrimos nas entrelinhas.

Você deve está se perguntando…E todo mundo sabe disso? Claro, ameniza a pancada (acho que eu já disse isso!) faz você se sentir menos abalado e tal. Eu sei também que você está tentando adivinhar, se levei um pé na bunda, certo, mas não levei, um amigo que levou e fiquei pensando no que a namorada dela disse. E ele ainda disse: não me venha com esse “não é você” por que eu já o usei e não é nada legal ouvi-lo… A partir desse momento, passam pela sua cabeça várias situações, como qual será o melhor jeito de enforcá-lo ou tudo bem eu já nem queria mesmo…

Mas se você tem uma esperança de que sua relação possa ficar um pouco mais séria e todo dia à mesma hora após o jantar ele leva você ao ponto de ônibus e diz que deveriam fazer isso mais vezes…(suspiro). Aí desculpa te dizer, mas isso significa que você nunca vai pegar o ônibus pro lado intimo da relação pôr que esse ônibus nunca vai passar no seu ponto.





5 dicas para um casamento feliz

4 04 2007

Meu primeiro texto pra uma raça da sociedade que não faço parte e posso nem fazer um dia, ou não(como diria Caetano!). E não preciso explicar o por que, né? Enfim, está aí oque acho que pode ajudar a melhorar a rotina de casado, são só 5 coisinhas, mas minha amiga disse que ajudou.

NÃO DISCORDEM EM PÚBLICO – Pai e mãe formam um time. Se opiniões divergem, não diga nada até que estejam sozinhos. Aí, é claro, as crianças vão acordar com a gritaria, mas as aparências estarão garantidas.

NÃO DEIXEM QUE AS CRIANÇAS SEJAM A ÚNICA COISA EM COMUM – É fácil se concentrar na melhor coisa que vocês fizeram juntos – mas á importante conversar sobre o que vocês fazem com o resto de suas vidas.

CUIDADO COM O PILOTO AUTOMÁTICO – Primeiro, vocês são os zelosos pais de um bebê. Depois, os exaustos tutores de crianças. Finalmente, guerreiros no campo de batalhas da adolescência. Cuidado! Essas fases podem destruir o casamento.

RESPEITE AS DIFERENÇAS – Não fique tentando mudar o outro(e isso serve aos namorados também.). Todos nós temos hábitos irritantes: largar meias pelo chão, falar ao telefone, contratar estágiárias na Casa Branca e se envolver num escândalo sexual… com exceção do último, esses hábitos devem ser tolerados.

(O melhor de todos!) SIGAM FAZENDO SEXO – e mais importante: UM COM O OUTRO! Perguntei ao meu pai, durante um casamento, o que era aquilo. Ele respondeu: “Amizade com sexo”. Fora da igreja – dentro, dentro meu pai ia achar que era pecado falar isso.





Grande Substituto!

23 03 2007

Acho que achei um substituto a altura do chocolate, será? É, dizem que o hormônio liberado é o mesmo do orgasmo quando vvocê come chocolate. Mas achei um substituto à altura.

Algumas pessoas dirão que estou louco, ou que perdi a compostura de vez. Meu substituto é você, sim, você sim, você o leitor. E sabe por que? Porque você me deixa em extase todas às vezes que lê e comenta o que escrevo, chego a entrar em transe, sair do corpo e ter experiências terrivelmente maravilhosas ao lado de vocês.

Pra ser sincero, penso em vocês a cada linha escrita ou a cada palavra que sai da minha cabeça. Não sei se devo comparar nossa relação a um relacionamento, um sempre querendo fazer coisas boas pro outro. E que realação pacífica! O oriente médio devia se inspirar na gente como eu me inspiro!





Para os que esperam cartas…

8 03 2007

Não fui eu quem fiz, mas é pra uma amiga em questão, lê com cuidado, tá?

“Para os que esperam cartas…”

Oi, tudo bom? Infelizmente, esta carta não é de quem você esperava. Mas, como eu sei direitinho como você se sente, talvez traga boas notícias.Olha, desculpa minha sinceridade, mas a vida é muito curta para fi car aguardando pelos outros. Se quem você aguarda realmente se importasse com você, já teria dado algum sinal de vida. Parta para outra.

Já reparou numa certa pessoa que você conhece e tem uma quedinha por você? Não posso dizer quem é, mas pode ser alguém que trabalha do seu lado ou que mora perto da sua casa ou que freqüenta um mesmo lugar. Sei que se trata de uma pessoa bem legal, vale a pena procurar saber quem é.

Fique de olho, tem um monte de gente reparando em suas qualidades. Aposto que, se você olhar em volta, neste instante, tem alguém olhando disfarçadamente para você. Pode não ser o seu tipo, mas já é uma dose de auto-estima, substância da qual você carece.

A verdade é que, enquanto você estiver assim, nessa interminável agonia, esperando notícias que nunca chegam, vai deixar passar várias possibilidades interessantes ao seu redor. Claro, ninguém se compara a quem você aguarda, mas quem você aguarda não está disponível no momento. Poderá, inclusive, nunca estar, apesar de tudo o que foi dito naquele dia. Pessoas que somem não são confi áveis.

E, mesmo que você tenha certeza absoluta de que não se trata de desprezo, que deve ter acontecido alguma coisa, que esse sumiço tem alguma explicação, não adianta nada você fi car aí esperando. Corroer-se de ansiedade não vai apressar a resolução do problema, seja ele qual for. Então, desencana.

Dá uma esquecida desse assunto, tenta focar as energias naquilo que depende da sua vontade. Caso seja necessário, para tirar de vez essa história da cabeça, mande você uma carta esculhambando e colocando um ponto fi nal na questão.

O fato é que não dá para você continuar assim, desse jeito. Está todo mundo comentando.

Ninguém tem coragem de dizer isso para você, mas todos concordam comigo. Já chega.

Além do mais, se for para ser, será. Um dia, quando você menos espera, pinta um reencontro, sei lá. Mas até esse possível reencontro fica mais difícil se você não se abrir de novo para o lado inesperado da vida.

E, cá entre nós, se a pessoa que você aguarda é quem eu estou pensando, também não é nenhuma belezura assim. Você arruma coisa melhor.

Mande notícias, ficarei aguardando.

 Fernanda Young!